Acompanhe aqui:

27 de fevereiro de 2015

Paul George treina forte pela primeira vez e rumores sobre a volta crescem


Leia no blog: Essa foi a lesão de Paul George
Relembre: O raio-x da perna fraturada

Quando Paul George se lesionou no primeiro jogo-treino da seleção americana que se preparava para disputar o Mundial de Basquete, o futuro do jogador e do Indiana Pacers era incerto. A previsão que os médicos deram era de recuperação de no mínimo 12 meses, podendo chegar até 18. Além de perder a temporada 2014/2015, a principal estrela do time poderia perder a preparação da temporada seguinte. Devastador. Só que a grande notícia é que George está tendo uma ótima recuperação e deve jogar muito em breve.

Tudo começou quando o jogador, em seu Twitter, escreveu: Março!?!? Pronto. A discussão começou a ser concentrada em qual dia ele voltaria para ajudar o Pacers. O primeiro boato era 14 de março, quando a franquia de Indianapolis recebe em casa o Boston Celtics. Nada confirmado. Mas agora vem outra grande notícia: PG participou pela primeira vez de um treinamento sem restrições de minutos com os companheiros. O que anima é que o ala treinou com a mesma intensidade que os colegas de equipe.

Hoje o Pacers tem uma campanha de 23 vitórias e 34 derrotas, e, apesar de estar abaixo dos 50% de aproveitamento, ainda briga forte pelo oitavo lugar no leste, que lhe renderia uma vaga nos playoffs. Já pensou George voltar e ser a peça que faltava para esse time deslanchar? Os médicos e o técnico Frank Vogel ainda pregam muita cautela nesse retorno, admitindo que qualquer decisão mal pensada pode comprometer o futuro da estrela. E é verdade. Se voltar antes do previsto ou forçar um retorno precipitado, a organização pode sentir na pele o que é perder um talento.

"Eu me sinto bem, muito bem. Eu ainda tenho esperança", disse George. Ainda não existe nada de concreto, mas é muito insano saber que ele pode voltar a qualquer momento ainda nesta temporada. A lesão que ele teve simplesmente chocou o mundo. A foto do seu raio-x está na minha cabeça até hoje. Só de saber que PG já está em ação, treinando com força e se esforçando para recuperar a melhor forma, já fico extremamente animado.

Siga o Paixão NBA no Twitter!

26 de fevereiro de 2015

Sport Science desafia Klay Thompson arremessar no escuro


A atual temporada está sendo o ano de afirmação de Klay Thompson na liga.  Durante a preseason, o Golden State Warriors cogitou trocar o ala-armador diversas vezes, pois não queria pagar a quantia pedida pelo jogador. No fim das contas, o time aceitou aceitou e manteve Thompson ao lado de Curry, mantendo a parceria dos Splash Brothers. A decisão foi correta!

Hoje o camisa 11 impressiona pela facilidade de acertar chutes de três e por sua velocidade ao receber a bola, visualizar a cesta e efetuar o disparo. O pessoal da Sport Science resolveu chamá-lo para seu laboratório com o intuito de dissecar todos os movimentos que o jogador faz durante o arremesso. É assustador.

Além de analisar toda a mecânica de Thompson, o submeteram a testes com a luz desligada. De dez arremessos feitos com o estúdio sem qualquer tipo de iluminação, ele acertou incríveis 8 bolas. O estudo explica a tamanha facilidade para acertar arremessos mesmo com uma adversidade tão absurda: de tanto treinar e de tanto repetir o movimento, seu cérebro já gravou todo a ação e, apesar de não ter a visão, Klay sabe muito bem onde está a cesta.

Outra coisa que favorece a estrela dos Warriors é que ele efetua o arremesso com muita velocidade. Enquanto a média da liga para receber, dominar e chutar é de 54 centésimos, Klay consegue realizar o fundamento em 45. 

Então, quando esse ser-humano conseguir fazer chover e anotar 37 pontos em um único período, ou acertar disparos em constante movimento ou muito bem marcado, saiba que ele já sabe onde está a cesta e sabe muito bem o que fazer. Esse cara é um monstro, senhores.

A depressão força Larry Sanders se afastar da NBA


O talento nem sempre prevalece nessa liga. Se você tem o potencial para se destacar, mas uma cabeça que não ajuda, complica e tudo vai para o ralo. É o caso de Larry Sanders, ex-jogador do Milwaukee Bucks que assinou sua rescisão de contrato e que deve dar um tempo no basquete. O motivo? Depressão. O jogador foi pego constantemente no exame anti-drogas que a NBA realiza. A última punição foi uma suspensão de dez jogos sem receber salário.

Com 26 anos e uma vida inteira pela frente, Sanders postou um vídeo no Youtube dizendo algumas palavras explicando seus motivos por essa retirada tão precoce. Ele diz que está seguindo o seu testemunho, de nunca perseguir o objetivo de ganhar muito na vida. Completando, o pivô afirma que seguirá sua intuição e se afastar do basquete nesse exato momento (salientando uma possível volta no futuro). Isso é nada mais que seu propósito de vida.

Agora entra em ação o Larry Sanders pessoa, pai, artista e escritor. Ele deixa para trás um contrato de 44 milhões em 4 anos com os Bucks e deixará o esporte em segundo plano. O que mais choca é ver sobre como ele fala sobre o vício na maconha, afirmando que em muitas ocasiões teve que se refugiar na droga (para fins medicinais) para conseguir lidar com a pressão. Justo Sanders, um cara que se intitula de natureza tranquila e paciente.

Hoje ele está no mercado como agente livre e pode assinar com qualquer time da NBA (e do mundo, é claro), porém o basquete não é algo que desperta o seu interesse. Apesar de todo o talento, ele não consegue mais equilibrar sua mente com a vida pessoal e as obrigações da liga (pressão à todo instante). 

Selecionado na 15ª escolha do Draft de 2010, o jogador nascido na Flórida só atuou pelo Milwaukee Bucks. Nunca foi de jogar muitos minutos, entretanto sempre tinha uma importante colaboração. Foram 6,5 pontos, 5,8 rebotes e 1,8 toco de média em 19,8 minutos na sua trajetória.

Torcemos aqui para sua recuperação e que logo ele vença essa batalha contra a depressão. Pelo visto, vai se agarrar em coisas que lhe agradam e que são fundamentais em sua vida (família, família e família) e vai tentar vencer sua mente que, hoje, está o colocando para baixo. Fique bem, Larry!

25 de fevereiro de 2015

Acabou a paciência! Jack Nicholson coloca à venda seus ingressos



A péssima campanha do Los Angeles Lakers não vai passar impune, pelo menos fora das quadras. Um dos seus maiores torcedores, o ator e vencedor de 3 Oscars, Jack Nicholson, anunciou que está cansado dessa jornada de muitas derrotas (13 vitórias em 54 partidas) e que vai vender os ingressos de todas as partidas que ainda restam nessa temporada regular.

Com os olhares voltados para o Draft de 2015, os Lakers tem a quarta pior campanha da temporada, ficando atrás apenas de Knicks, Wolves e Sixers. Essa imagem que a franquia está transmitindo, querendo perder as partidas para melhorar sua posição no Draft, acabou com a paciência do renomado ator e fã incontrolável da organização.

Por ano, a estrela de Hollywood tem um custo anual de 110 mil dólares com os ingressos mais próximos da quadra. Ele assina esse pacote de ingressos desde os anos 70, curiosamente coincidindo com a chegada de Jerry Buss, o proprietário que guiou o Lakers aos seus anos mais gloriosos de sua história. Com Buss pai no comando, os californianos venceram 10 campeonatos e encostaram no rival Boston Celtics, que hoje tem apenas um título à mais.

A coisa mudou. Para acompanhar um jogo dos Lakers antes da chegada de Jerry Buss, com 15 dólares você já conseguia um lugarzinho BOM dentro da arena. Hoje os ingressos ao pé da quadra custam de 2500 à 2750 obamas. O mais barato, lá no alto, custa 45 dólares. Perto da quadra, o valor chega a 330 doletas.

Parece que estamos prestes à ver o fim de um era. É clássico você encontrar Nicholson nas partidas, faça chuva ou faça sol. A lesão de Kobe Bryant e de Julius Randle, elenco enfraquecido e com um futuro incerto (contratações e escolhas de Draft) colaborou para Jack tomar essa decisão. Ele mesmo disse que agora prefere ver as partidas pela televisão. Ok, ele tem 77 anos de idade e cada vez está mais complicado acompanhar as pelejas, no entanto não deixa de ser algo de chamar a atenção.

24 de fevereiro de 2015

NBA All-Star garante excelente audiência à ESPN

Rafinha Bastos participou da transmissão de sábado
Amigos, creio que essa informação deva ser publicada aqui no blog e ganhar certo tipo de destaque, pois é algo bem bacana para quem acompanha de perto os movimentos da liga. É que durante a exibição do NBA All-Star, a ESPN esteve entre os cinco canais mais vistos no final de semana da TV por assinatura. O principal evento, o All-Star Game, colocou a emissora na vice-liderança geral, sendo o canal de esportes com maior audiência (no horário das 22h até 02h). As informações são do Estadão.

O canal transmitiu as emoções da semana festiva com sua equipe de jornalistas composta por Fernando Nardini, Gustavo Hofman, Zé Boquinha e Eduardo Agra. O diferencial foi colocar participações especiais, com Zé Luis na sexta, Rafinha Bastos no sábado. A tag #ESPNtemNBAAllStar ficou entre as mais comentadas no Twitter ao longo de toda a transmissão. 

O que deixa mais legal ainda é que se tratou de um final de semana de feriado, onde muita gente pegou a estrada ou saiu para curtir o carnaval, que iniciava os seus "trabalhos" em todo o Brasil. Outro ponto é que a ESPN não tem o sinal liberado para todos os assinantes, ao contrário do Sportv. 

Pode ser apenas uma simples fato para muita gente, no entanto eu já vejo isso com muita alegria, de saber que a NBA está dando retorno para seus canais. Vale destacar que o Space, que também exibe partidas da liga na quinta-feira, teve um salto na audiência e já aparece no top 15 da TV paga, e recentemente comemorava a ótima audiência que a liga estava lhe proporcionando.

*Detalhes do site Mídia Esportiva

Os MVPs dos últimos 30 anos tiveram ótimas campanhas. E agora?


Fique ligado no blog: Ohhh! Lá vem Richard Jefferson

O prêmio de MVP nunca foi tão aberto como nessa temporada. Geralmente, nessa parte da temporada, nós já tínhamos um jogador com um favoritismo bem acentuado e, apenas por uma catástrofe, perdia o prêmio de jogador mais valioso da temporada. Em 2014/2015, a conversa é outra. Hoje a roda de discussão pode citar vários nomes, como James Harden, Stephen Curry, Anthony Davis, LeBron James, Marc Gasol... Russell Westbrook (why not?), entre outros.

Essa mesma lista já teve mais gente, como Jimmy Butler, John Wall, Kyle Lowry, o pessoal do Atlanta (qualquer um daquele quarteto)... Com a temporada afunilando, esse pessoal foi saindo da discussão, seja por queda de rendimento individual, seja por queda de rendimento de seu time, lesão, N fatores...

Se eu te perguntar agora, para você amigo fã da NBA, quem é o MVP da temporada? Quem você responde? No mês passado, fiz um post apenas perguntando isso aos visitantes desse blog (você encontra a publicação aqui). Bom, Steph lidera com mais de 50% dos votos (mais de 420 participações). Trinta dias se passaram e a briga continua forte, tendo um crescimento absurdo do Barba do Capeta, James Harden. 

O Oklahoma City Thunder chegou na zona de classificação dos playoffs e vê Russell Westbrook comer a bola, se destacando até mais que o atual MVP, Kevin Durant. Parece que o prêmio de MVP no All-Star Game deu mais gás ao armador que deixou as críticas de lado e evoluiu como atleta. As câimbras mentais estão em segundo plano.

Só que agora vou publicar uma foto que pode ser o ponto contra Westbrook nessa briga pelo prêmio:


Repare que há mais de trinta anos a NBA vem premiando o jogador cujo o time que termina com campanha BEM positiva na temporada regular. Jordan, em 1987/1988, foi o MVP com a "pior" campanha entre os últimos trinta vencedores. E mesmo assim, foram 50 vitórias nos tradicionais 82 jogos, totalizando 61,0% de aproveitamento. 

Fazendo uma conta rápida de todas essas campanhas na tela, o recorde fica 1749-603. A média de vitórias de quem leva o troféu é de absurdos 74%. Jordan só foi o vencedor naquele ano porque foi um IGNORANTE e anotou 35,0 pontos de média e teve aproveitamento de 53,5% nos arremessos de quadra. É praticamente uma exceção.

Olhando friamente essa imagem, logo podemos descartar nomes como Anthony Davis e Westbrook, não? Talvez. Essa temporada está trazendo tantas surpresas que eu não arrisco nada. Mas é um fato que Steph e Harden saem na frente nessa corrida, e Marc Gasol come pelas beiradas.

Meu palpite? Harden. Já foi Steph, mas o Rockets joga em cima de Harden e ele precisa estar em boa noite para a franquia obter os triunfos. Lá em Oakland, mesmo fazendo chover, Curry tem a companhia de Klay Thompson e um time completo e preciso (melhor campanha entre todos os 30 times).

Além da participação do núcleo que compõe a NBA, os jornalistas que cobrem a liga diariamente também tem forte peso na decisão em torno da votação que é feita. Isso pode fazer a diferença.

Quem você acha que leva a parada? Vote na enquete do blog!

23 de fevereiro de 2015

Com três transmissões na semana, Sportv faz sua estreia na NBA


Curta o Paixão NBA no Facebook
Siga o Paixão NBA no Twitter

23/02/2015 - Na madrugada de segunda para terça - Memphis Grizzlies @ Los Angeles Clippers - 00h30 - Sports+
24/02/2015 - Terça-Feira - Golden State Warriors @ Washington Wizards - 21h - Sports+
24/02/2015 - Terça-Feira - Toronto Raptors @ Dallas Mavericks - 22h30 - SPORTV
25/02/2015 - Quarta-Feira - Los Angeles Clippers @ Houston Rockets - 22h - ESPN
26/02/2015 - Quinta-Feira - Golden State Warriors @ Cleveland Cavaliers - 22h - Space
27/02/2015 - Sexta-Feira - Miami Heat @ New Orleans Pelicans - 22h - ESPN
28/02/2015 - Sábado - Atlanta Hawks @ Miami Heat - 21h30 - SPORTV
28/02/2015 - Sábado - San Antonio Spurs @ Phoenix Suns - 23h - Sports+
01/03/2015 - Domingo - Los Angeles Clippers @ Chicago Bulls - 15h - Sports+
01/03/2015 - Domingo - Cleveland Cavaliers @ Houston Rockets - 17h30 - SPORTV

*Com o término do horário de verão, a diferença com o horário americano fica em apenas 02 horas. Fique atento. 

Sai da frente! Lá vem Richard Jefferson


A carreira de Richard Jefferson já caminha para o seu fim. Aos 34 anos de idade e atuando como um reserva de luxo no forte Dallas Mavericks (agora 38 vitórias e 20 derrotas), vem anotando apenas 5,1 pontos em seus 15 minutos de jogo por noite. Mesmo assim, ainda apronta das suas e chama a atenção dos fãs.

No triunfo dos Mavs contra o Charlotte Hornets por 92x81, no Texas, Jefferson aproveitou o contra-ataque e cravou com toda a força, passando por cima do ótimo defensor Michael Kidd-Gilchrist. JOGADAÇA! Infelizmente ela foi anulada porque Jefferson usou o braço para progredir no lance e chegar até a cesta. Mas não deixa de ser animal, né?

Na liga desde 2001, Richard já participou de quase 1000 jogos (986), somando passagens por New Jersey Nets, Milwaukee Bucks, San Antonio Spurs, Golden State Warriors e Utah Jazz. Em 14 temporadas, tem uma média geral de 14,1 pontos e 46,5% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Seu melhor momento individual foi no Nets, em 2007/2008, quando anotou 22,6 pontos e 4,2 rebotes.

Saca só a cravada!



A reação do banco do Hornets dispensa comentários, amigos...


A emblemática carta de Coach K para Michael Jordan


No Facebook: Curta o Paixão NBA

Michael Jeffrey Jordan é o rei do basquete. Apesar de eu concordar que devemos sempre olhar com bons olhos os jovens talentos e aqueles que conquistam feitos incríveis na liga, e achar que pode existir um novo jogador que pode destronar Jordan, creio que isso será quase impossível. Bom, eu não preciso ficar aqui falando, falando e falando sobre Jordan. Todo mundo aqui conhece esse rapaz. Fez coisas espetaculares e seus registros estão marcados para sempre. Ninguém apaga.

Antes de trilhar sua linda história na liga, Michael fez sucesso na universidade de North Carolina, ao lado do lendário Dean Smith (foto principal). Juntos conquistaram o título do basquete universitário em 1982. No início do mês, no dia 7 de fevereiro, Dean Smith faleceu aos 83 anos de vida.

Mike Krzyzewski, o Coach K (foto à direita), tentou de todas as formas levar Jordan para a universidade de Duke, mas recebeu um não e viu o menino atuar em casa. Em uma carta, Coach K agradeceu a atenção de Jordan e lhe desejou sucesso na carreira universitária. Parecia que Krzyzewski sabia do futuro do eterno camisa 23.

Veja a carta traduzida por Ariel Paiva (@tripledouble_):

Outubro 29, 1980 

Sr. Michael Jordan 
4647 Rua Gordan 
Wilmington, Carolina do Norte 28405 

Querido Mike: Lamento ouvir que você não tem interesse em saber mais sobre a Universidade de Duke, contudo quero que você saiba que minha equipe e eu desejamos o melhor a você na sua carreira na universitária. Você é um bom rapaz e deve fazer impacto imediato em qualquer lugar que escolher. 

Cuide-se, e boa sorte. 

Sinceramente,

(assinatura)

Mike Krzyzewski 
Técnico de basquetebol

Eis o registro:


A visão do Coach K é absurda. Mesmo antes de Mike entrar no basquete universitário, já sabia de todo o talento do garoto de apenas 17 anos de idade. Essa frase: "Você vai causar impacto" não sai da minha cabeça, senhores. Por outro lado, era o sonho de menino de MJ atuar por North Carolina, desde quanto batia bola no quintal de sua casa. Ele sempre pensou assim e chegou, inclusive, prometer a seu pai (prometeu até jogar baseball). 

Quase trinta e cinco anos depois, a história foi escrita. Apesar de ser apenas uma simples carta, é sensacional saber desse registro e ler cada palavra do técnico ao atleta recém saído do ensino médio.

Você com certeza já leu isto em algum site/blog por aí, porém eu realmente gostaria de trazer esse conteúdo ao Paixão NBA. Isso serve para esse pessoal relembrar, e para novos fãs da liga ficarem sabendo.