29 de julho de 2014

FIM DA NOVELA! Tribunal libera a venda do Los Angeles Clippers por 2 bilhões

ACABOU A POLÊMICA!
Entenda como a polêmica se iniciou
A punição do racista
Mais polêmica...
Sterling chama sua ex-mulher de porca

Acabou um dos episódios mais chatos da NBA. Após todo aquela história de racismo, Donald Sterling seguia tentando aparecer nas manchetes e reverter a decisão da liga de bani-lo até o resto de sua vida e forçando a venda do Los Angeles Clippers. Meses atrás, Steve Ballmer, ex-CEO da Microsoft efetuou a compra, porém Sterling fez de tudo para impedir. Agora não tem mais papo.

Hoje o juiz da corte superior, Michael Levanas, negou a tentativa de Donald de bloquear o negócio e oficializou a venda da franquia por 2 BILHÕES de dólares à Ballmer. Shelly Sterling, ex-mulher do proprietário, não aguentou o choro e se disse aliviada após todo esse episódio conturbado envolvendo sua família, a cidade e a liga.

O juiz ainda afirmou que Shelly fez um belíssimo negócio. Ela assumiu o controle da negociação após os médicos vetarem qualquer participação de Donald nas negociações, pois ele apresentava sinais de Alzheimer e não teria condições de tomar decisões sozinho. A decisão também determina que a venda dos Clippers não pode ter atraso.

Agora as duas partes (Shelly e Ballmer) esperam selar negócio até o dia 15 de agosto. Sem estar presente no tribunal na hora da sentença, Donald reagiu com calma e aparentemente não vai esboçar nenhum recurso para novamente impedir a venda da equipe que ele comprou no início dos anos 80, entretanto deve seguir com seus processos contra a NBA. 

A NBA, através do seu porta-voz, Mike Bass, se disse muito satisfeito com a decisão tomada pelo juiz e espera ver a transação de venda dos Clippers acontecendo o mais breve possível. Antes do episódio final, figuras como Doc Rivers e Chris Paul ameaçaram fazer uma paralisação e não trabalharem mais em Los Angeles caso Sterling conseguisse bloquear a venda.

Então é isso, senhores: Clippers, comprado em 1981 pela família Sterling por 12 milhões, será vendido à Steve Ballmer por 2 bilhões. Que negócio, hein? Que a paz reine na liga e que Donald Sterling suma de uma vez por todas.

28 de julho de 2014

A capacidade de Stephen Curry ser o recordista das bolas de três


Quem nunca aí escutou a seguinte frase: "Recordes são feitos para serem quebrados"? Na NBA, existem diversos. Quem fez mais pontos, quem pegou mais rebotes, quem mais atuou, quem mais distribuiu assistências, etc. E isso que nem vou contar aqueles recordes de jogo (mais pontos em um período... e por aí vai). E o recordista das bolas de três? Bom, esse recorde pertenceu por um bom tempo a Reggie Miller, um dos principais nomes do Indiana Pacers. Mas como recordes existem para sem quebrados...

Em fevereiro de 2011, Ray Allen quebrava o recorde e colocava o seu nome na história. O mais legal é que Miller estava comentando o tal jogo e logo foi cumprimentar o atleta (foto ao lado) que acabara de ultrapassar a sua marca de 2560 bolas de três na carreira. Os anos passaram e Allen seguiu empilhando bolas longas. Hoje, aos 39 anos de idade e inclinado para atuar no Cleveland Cavaliers, o ala-armador precisa somente de 27 bolas para chegar na casa das 3000 bolas. Que número fantástico!

Alguém terá capacidade de um dia bater Ray Allen? Eu respondo: sim. E já tenho o meu favorito: Stephen Curry. Sim, o menino Steph Curry do Golden State Warriors. Fui buscar os números das cinco primeiras temporadas de Allen e Miller e coloquei ao lado dos números de Steph. O resultado é assustador. Apesar de ter sofrido com lesões na parte inicial de sua jornada na liga, Curry está muito à frente! Outro fato: seu aproveitamento é superior em quase todos os anos (exceto na 4ª temporada). Para provar isso, analise junto comigo:

1ª temporada:

Ray Allen (1996-1997): 117 (39,3%)
Reggie Miller (1987-1988) 61 (35,5%)
Stephen Curry (2009-2010) 166 (43,7%)

2ª temporada:

Ray Allen (1997-1998) 134, 36,4%
Reggie Miller (1988-1989) 98, 40,2%
Stephen Curry (2010-2011) 151, 44,2%

3ª temporada:

Ray Allen (1998-1999) 74, 35,6%
Reggie Miller (1989-1990) 150, 41,4%
Stephen Curry (2011-2012) 55, (45,5%)

* Allen atuou em 50 jogos (locaute), Curry em 23

4ª temporada:

Ray Allen (1999-2000) 172, 42,3%
Reggie Miller (1990-1991) 112, 34,8%
Stephen Curry (2012-2013) 272, 45,3%

5ª temporada: 

Ray Allen (2000-2001) 202, 43,3%
Reggie Miller (1991-1992) 129, 34,1%
Stephen Curry (2013/2014) 261, 42,3%

Total:

Ray Allen (25 anos) 699 bolas de três convertidas
Reggie Miller (26 anos) 550 bolas de três convertidas
Stephen Curry (25 anos) 905 bolas de três convertidas

No ranking dos cestinhas de três pontos, o armador dos Warriors aparece apenas na 96ª posição. Ainda é cedo. Ele tem muito arroz e feijão para comer na liga. Que fique registrtado que em momento algum afirmei que Curry será o recordista. Existem diversos fatores que podem estragar esse feito: novas lesões, uma queda brusca em seu aproveitamento, carreira mais curta... 

Sendo bem otimista, creio que Steph tem todas as condições de ultrapassar Miller e Allen. Com seu pai, Dell Curry, outro especialista nas bolas de três, ele ainda vai aprender muito. O sonho é possível.

27 de julho de 2014

Cleveland Cavaliers e San Antonio Spurs devem abrir a temporada na NBA

O calendário da NBA só sai no próximo mês, mas algumas fontes já especulam aquele que seria o jogo de abertura, televisionado em TV aberta para todo o país acompanhar. E segundo o jornalista Gary Washburn, do Boston Globe (o mesmo que está cravando Ray Allen nos Cavs), a partida que abre a temporada 2014/2015 da NBA será entre Cleveland Cavaliers e San Antonio Spurs, na TNT.

A intenção da liga é começar em grande estilo nesse ano que tem tudo para ser épico. Iniciar com o primeiro jogo de LeBron James a Cleveland e premiar os campeões do San Antonio Spurs são os atrativos para todos acompanharem o jogo.

O palco deve ser Ohio, na Quicken Loans Arena. O ideal seria premiar os atletas dos Spurs com o anel de campeão no AT&T Center, porém o pessoal que programa os jogos na TV aberta americana não deve perder essa chance de colocar o jogo em Cleveland. 

Nos últimos cinco anos, LeBron James esteve em todos os jogos de abertura, exceto em 2011 quando a liga passou pelo locaute (a temporada começou no Natal). Como citado, o calendário oficial sai em agosto e vamos trazer todas as partidas aqui no blog.

Últimas aberturas de temporada na TV americana:

Cleveland Cavaliers 89 x 95 Boston Celtics (27 de outubro de 2009)
Boston Celtics 88 x 80 Miami Heat (26 de outubro de 2010)
Miami Heat 120 x 107 Boston Celtics (30 de outrubro de 2012)
Miami Heat 107 x 95 Chicago Bulls (29 de outubro de 2013)

Byron Scott chega para colocar a casa em ordem no Los Angeles Lakers


Quase três meses após demitir Mike D'Antoni (não vai deixar saudades), o Los Angeles Lakers, enfim, anunciou o seu novo comandante. Será Byron Scott, um cara já identificado com a franquia e, entre os nomes disponíveis do mercado, a melhor opção. 

Nascido em Utah, Scott iniciou sua carreira na uniservidade de Arizona State. Entre 1979 e 1983, foram três temporadas e números que o credenciaram para a NBA: 17,5 pontos, 4,0 rebotes e 3,1 assistências. Em 28 de junho de 1983, é selecionado na quarta escolha pelo San Diego Clippers. Pouco antes de iniciar a preseason, é trocado e vai parar no Los Angeles Lakers. Começava ali uma parceria que deu muito certo.

Sua primeira passagem em Los Angeles foi de 1983 até 1993. Ao lado de caras como Magic Johnson, Kareem Abdul-Jabbar, Michael Cooper e James Worthy, conquistou os campeonatos de 1985, 1987 e 1988. Por duas temporadas, atuou com a camisa do Indiana Pacers: foram 147 partidas e 10,2 pontos de média; Na temporada 1995-1996, uma breve passagem no sofrível Vancouver Grizzlies: 80 partidas e 10,2 pontos de média. Ele encerra a carreira no Los Angeles Lakers, em 1996-1997, atuando ao lado de Kobe Bryant (novato na época). No total, são 11 temporadas nos Lakers e 846 partidas com 15,1 pontos, 3,0 rebotes e 2,8 assistências de média.

Seu primeiro trabalho como técnico na NBA é no início dos anos 2000 comandando o New Jersey Nets. Em New York são 4 temporadas e dois títulos da conferência leste. Dos Nets ele vai para o New Orelans Hornets (que atuou duas temporadas em Oklahoma por causa do furacão). É eleito o Coach of The Year em 2007/2008. Após iniciar mal a temporada 2009/2010 acaba sendo demitido. Seu último trabalho foi no Cleveland Cavaliers, nas primeiras temporadas da franquia sem LeBron James. Foram anos difíceis, com recordes negativos e poucos atletas de qualidade. 

Agora ele volta para Los Angeles em um contrato de 4 anos e 17 milhões de dólares. O momento não é dos melhores. A equipe teve uma pequena melhora em relação ao elenco da temporada passada e terá Kobe Bryant 100%. Com o ingresso do novato Julius Randle e a chegada de atletas através de trocas e dispensas, os Lakers esperam um ano melhor. A chegada aos playoffs para esse ano parece complicada, mas Scott vai tentar dar esperanças à torcida. Deixem o homem trabalhar!

26 de julho de 2014

Lakers, Love, Leandrinho, Bebê, Ginobili... as rapidinhas da NBA

Futuro comandante dos Lakers?
Após alguns dias sem atualizar as rapidinhas da NBA, vou colocar nesse post aquilo que mais vem acontecendo de RELEVANTE na liga. Com muitos jogadores já com os times definidos para a próxima temporada, pequenos acertos vão acontecendo nesse momento. Vamos as breves informações!

- Segue a indefinição por Kevin Love. Após o Golden State Warriors perder força e ficar para trás, Chicago Bulls e Cleveland Cavaliers são os favoritos (noticiamos aqui no blog) por Kevin Love. O imbróglio segue porque há divergências entre jogador e time. Os Wolves preferem a oferta do Bulls, porém Love quer os Cavs. O agente do jogador já solicitou troca para os Cavaliers. Qual será desfecho dessa negociação?

- As informações que chegam da terra do Tio Sam é que o Los Angeles Lakers ofereceu o cargo de treinador para Byron Scott (foto). As negociações estão bem avançadas. Scott jogou nos Lakers em 11 temporadas (belos números, diga-se de passagem), conquistou três títulos e tem identificação com a franquia. Como treinador, já foi eleito Coach of The Year (2007-2008), e seu último trabalho foi no Cleveland Cavaliers, em 2012/2013. 

- O Toronto Raptors anunciou que vai pagar a multa rescisória de Lucas Nogueira (Bebê) e vai contar com o jogador para a temporada 2014/2015. Por Lucas ter contrato em vigor com o Asefa Estudiantes, da Espanha, os canadenses vão pagar 550 mil dólares enquanto o atleta arca com 250 mil. 

- Recentemente Carmelo Anthony revelou que sempre esteve entre fechar com New York Knicks e Chicago Bulls. Em certo momento ele chegou a ter interesse no Los Angeles Lakers, mas a maioria das vezes era Bulls ou Knicks mesmo. Ele fechou com a franquia de New York por 124 milhões nos próximos cinco anos. Em entrevista, disse que não escolheu dinheiro (?) e sim uma equipe pra vencer.

- Leandrinho ainda não está autorizado a treinar com a seleção brasileira. Sem clube, ele não tem ninguém para pagar o seguro (o time é quem paga). Com isso, a CBB deverá arcar com os gastos (250 mil). O empresário do brasileiro pede para a confederação esperar um pouco mais. Algum time da NBA está interessado no atleta.

- Voltando a falar brevemente de Kevin Love: ele pediu dispensa da seleção americana de basquete. Vai seguir se preparando para a próxima temporada. Seu medo é se lesionar no mundial e perder a chance de ingressar em uma grande franquia com ambições de título. Blake Griffin foi outro que pediu dispensa.

- O israelense Omri Casspi foi dispensado pelo Houston Rockets, mas já tem novo time: Sacramento Kings. O jogador foi draftado pelo próprio Kings, na 23ª escolha do Draft de 2009. Ele chega para atuar 1 ano pelo salário mínimo de veteranos.

- O Atlanta Hawks anunciou que vai renovar o contrato do armador Shelvin Mack. Após boa temporada em 2013/2014, Mack anotou 7,5 pontos e 3,7 assistências por jogo vindo do banco de reservas. Serão 3 anos e 7,3 milhões de dólares.

- O argentino Manu Ginobili está recuperado de lesão, recebeu o OK dos médicos argentinos, porém só vai disputar o Mundial de basquete na Espanha se o San Antonio Spurs autorizar. E agora?

- A liga está cogitando aumentar o tempo de descanso dos atletas na parada para o All-Star Game. O pensamento inicial é dar uma folga de sete dias. O problema é que pode apertar o calendário da liga e forçar os times a jogarem seguidos "back-to-back". O calendário oficial sai em agosto.

"Kobe Bryant, o segundo maior jogador de todos os tempos"

 "Bem, ele costumava ser Kobe Bryant, o segundo maior jogador de todos os tempos. Agora, eu tenho um novo jogador favorito para jogar contra: meu ex-companheiro de equipe, LeBron James."

Essas são as palavras de Dwyane Wade, ala do Miami Heat. Em resposta a uma pergunta sobre quem era o atleta que ele mais gostava de enfrentar, além de responder Kobe Bryant, Wade destacou que o Black Mamba é o segundo maior jogador da história da liga, ficando atrás apenas de Michael Jordan.

Agora com a saída de James para o Cleveland Cavaliers, o ala-armador da franquia da Flórida se diz ansioso para enfrentar o antigo companheiro, que atuou ao seu lado de 2010 até julho de 2014. Não sei o que vocês acham, mas para mim o top 3 não sai de Jordan, Magic e Bird. Opinião é opinião. Wade deu a sua. 

Com o contrato garantido, o que podemos esperar de Vitor Faverani?


Eu leio muita gente comentar sobre os brasileiros na NBA, destacando o bom ano de Tiago Splitter, de Nenê, o ano sem lesões de Varejão, a volta de Leandrinho, o ingresso de Bruno Caboclo, porém não podemos esquecer de um nome: Vitor Faverani. Com contrato em vigor, Vitor é outro nome brasileiro garantido para a temporada 2014/2015, e precisamos ficar de olho.

Em julho de 2013, o gaúcho de Porto Alegre assinou contrato de três anos e pouco mais de 6 milhões de doletas. Para o próximo ano, ele receberá pouco mais de 2 milhões. Após um início de altos e baixos em sua temporada de novato (mesmo aos 25 anos, era considerado rookie). O início foi acima de qualquer expectativa. Em seus dois primeiros jogos, Vitor já acumula 12,5 pontos, 10,5 rebotes e 4,5 blocks de média. Ok, dois jogos apenas, porém nem a sua família, creio eu, esperava um início dessa forma. 

Depois veio o choque de realidade e os números começaram a cair. Normal. Alternando entre bons e maus jogos, o brasileiro começou a esquentar no banco e viu seus minutos despencarem para pouco mais de 10 minutos por noite. A irregularidade foi tão grande que o Boston Celtics, de 25 de janeiro até 5 de fevereiro, o enviou TRÊS vezes para a D-League. Na liga de desenvolvimento, foram quatro jogos pelo Maine Red Claws: 19 pontos e 11 rebotes de média. Faverani mostrava evolução e sempre acabava voltando ao elenco principal da franquia. Até que no início de março, uma lesão no joelho, o tirou da temporada. Foram 37 jogos e médias de 4,4 pontos e 3,5 rebotes.

E agora? Como será daqui pra frente? Esse ano vai ser fundamental para o pivô. A temporada 2015/2016 não está garantida 100%. Em contrato, se Vitor for dispensado antes de 15 de julho do próximo ano, ele se torna agente livre automaticamente. Sem choro. Caso contrário, ele permanece para cumprir seu último ano com a franquia verde. Por isso ele precisa mostrar serviço. Com a reformulação acontecendo em Massachusetts, o técnico Brad Stevens vai apostar em todo o seu elenco. Aquele que dar resultado e aproveitar cada minuto ganho, ganhará pontos preciosos com o comandante. Vitor precisa estar atento. Ele já passou pelo processo de adaptação e já tem condições de brigar por um espaço no time. Recuperado de lesão e 100%, torceremos por uma bela temporada. É o Brasil na NBA!

Aqui o seu melhor jogo na temporada:

24 de julho de 2014

Para matar a saudade de NBA...



Para matar a saudade da liga e não cair no marasmo da offseason, que tal relembrar esse jogo que aconteceu em 8 de abril de 2012? Após estar perto da derrota por duas vezes, o New York Knicks recorreu à Carmelo Anthony, que com duas bolas de três, levou a galera no Madison Square Garden a loucura. Foram 43 pontos (51% FG), 7 rebotes e 3 assistências naquela tarde de domingo. É um dos vídeos que eu mais gosto de assistir.

E não se esqueça...

Faltam 79 dias para o NBA Global Games Rio de Janeiro;
Faltam 96 dias para a nova temporada da NBA.

23 de julho de 2014

E os rumores sobre Kevin Love aumentam


Os dias mais chatos da offseason, de forma inevitável, chegaram. Agora temos que nos abraçar em pequenos rumores e aguardar o início pré-temporada, em outubro. O que ajuda neste ano é o fato do mundial de basquete acontecer muito em breve. E nesses dias de diversas apresentações, o nome de Kevin Love segue no campo da especulação.

Primeiro veio o Cleveland Cavaliers disposto a ceder Andrew Wiggins e Anthony Bennet + futura escolha de Draft. Loucura? Bom para ambos? O fato é que LeBron James quer jogar com Kevin Love. Os executivos estão trabalhando para deixar o terreno limpo, fazendo trocas com o intuito de conseguir negócio com o ala-pivô do Minnesota Timberwolves.

Hoje o boato da vez é que o Chicago Bulls retomou o seu interesse pelo jogador. Como Love ainda não é agente livre, o negócio só sai através de uma troca. O que o Bulls cederia? Taj Gibson, Nikola Mirotic e Doug McDermott. 

É muita coisa por um atleta que desconhece os playoffs e sobra em uma franquia que vem fracassando ano pós ano? Kevin Love não quer ficar em Minneapolis, porém os Wolves só vão o liberar se alguma oferta interessar a franquia. Na temporada 2013/2014, o camisa 42 anotou média de 26,1 pontos e 12,5 rebotes por partida.