1 de setembro de 2014

Jason Terry, Ray Allen, Lucas Bebê... as rapidinhas da NBA


A offseason está quase chegando ao seu fim. As notícias envolvendo a NBA são poucas, ainda mais com o Mundial de basquete sendo o centro das atenções. Tentamos reunir o que mais de relevante aconteceu no mundo da liga nesses últimos dias. E nunca esquecendo: falta pouco para iniciar os treinamentos das equipes, dando início a preseason.

Ray Allen vai jogar onde?

Ray Allen segue no mercado de agentes livres. Ainda indeciso entre aposentadoria e jogar mais um ano na NBA, o gatilho para três pontos tem três possíveis destino: Cleveland Cavaliers, Los Angeles Clippers e San Antonio Spurs. Os Cavs, segundo o Boston Globe, já estaria acertado com o jogador. Nos Clippers, ele voltaria a ser comandado por Doc Rivers. Os texanos têm um lugar disponível no elenco para a próxima temporada. 

Jason Terry de casa nova

Informou Adrian Wojnarowski, da Yahoo Sports, que Sacramento Kings e Houston Rockets estão finalizando uma troca. Os Rockets enviam Alonzo Gee + duas escolhas de Draft para Sacramento, que libera Jason Terry (foto) (que nem chegou a atuar com a equipe) para Houston. O pensamento dos Kings é dispensar Gee e liberar espaço em sua folha de pagamento. 

Under Armour? Acho que não...

A Nike vai excercer o seu direito e cobrirá a oferta da Under Armour, que quer ser a nova patrocinadora de Kevin Durant. Se a Under Armour ofereceu 265 milhões de dólares e 10 anos de contrato, a Nike pretende oferecer 285 milhões (podendo chegar até 300). É muita grana, amigo!

Treinando com a lenda

O brasileiro Lucas Nogueira está trabalhando com a lenda viva Hakeem Olajuwon, campeão com o Houston Rockets em 94 e 95 e um dos jogadores mais respeitados na liga. 'Bebê', como é carinhosamente chamado, comentou em seu Twitter a produtiva semana de treinos com Hakeem. Nos verões passados, Olajuwon trabalhou com LeBron James, Kevin Durant, Dwight Howard e Amar'e Stoudemire. O brasileiro estará no elenco do Toronto Raptors para a temporada 2014/2015.

Spurs de olho em Ayon

Segundo o jornalista Marc Stein, o San Antonio Spurs está interessado em assinar com o pivô Gustavo Ayon. O mexicano, que é agente livre, atuou com o Atlanta Hawks na temporada passada e está em ação com a seleção do México no Mundial de basquete. A franquia pretende, também, assinar novamente com Aron Baynes.

De molho por três meses...

Cortado do Mundial por lesão, o francês Ian Mahinmi ficará cerca de três meses longe das quadras para tratar o ombro. A previsão é do médico da própria equipe francesa. O pivô tem contrato em vigor com o Indiana Pacers e teve média de 3,5 pontos e 3,3 rebotes na última temporada, sendo reserva de Roy Hibbert.

31 de agosto de 2014

DICA LITERÁRIA: Onze anéis


Todos nós sabemos como é complicado achar um livro que aborda a NBA em português. Tentei procurar livros DISPONÍVEIS, mas confesso que não tive sucesso. Os amigos que acompanham o PN relatam que procuraram, mas também não conseguiram sucesso. Como quero seguir ajudando a NBA crescer aqui no Brasil, tudo aquilo que agrega conhecimento ou deixa o fã mais perto da liga, já ajuda. E aí vai a primeira dica literária do blog.

A editora Rocco está lançando em português o livro Onze Anéis - A Alma do Sucesso, escrito por um dos maiores técnicos da história da liga, Phil Jackson, com colaboração do jornalista e escritor Hugh Delehanty. A trajetória de seus 11 títulos (6 com o Chicago Bulls e 5 com o Los Angeles Lakers) são relatados com muita transparência por Jackson, que conta como foi lidar com atletas como Michael Jordan, Scottie Pippen, Shaquille O'Neal e Kobe Bryant. Tudo isso em português.

A editora faz uma parceria com a Livraria Travessa, que oferece o livro por R$ 34,50, dá 20% de desconto na primeira compra. Ele está disponível em E-BOOK, com preço de R$ 22,50. Confesso que já adquiri o meu na sexta-feira e estou na expectativa de sua chegada. O prazo da livraria é de 5 dias úteis (com você podendo acompanhar a situação do pedido). 

Sempre que eu ficar sabendo de novos livros em português (meu sonho é ler os de Michael Jordan), vou informando aqui no blog como "DICA LITERÁRIA". Vou ler com todo prazer do mundo o livro do mestre Phil e, mais tarde, conto para a galera ligada no Paixão NBA. E todos estão convidados, nos comentários, para falar sobre os livros que já leram (pode ser de qualquer esporte). Tem um livro da NBA que já leu? Fale aí! O espaço está aberto!

Para adquirir esse livro, clique aqui.

Rajon Rondo pediu ao Boston Celtics para ser trocado


E parece que o episódio Kevin Love respingou em Boston. Segundo fontes da liga, Rajon Rondo estaria colocando o Boston Celtics na parede e solicitando uma troca. O armador de 28 anos, que viu todos os seus principais companheiros (Garnett, Pierce e Allen) saírem, quer fazer o mesmo.

Por que citar o caso Kevin Love? Agora jogador do Cleveland Cavaliers, Love chegou no escritório dos Wolves e disse: "Ou vocês me trocam agora ou vocês me perdem na próxima temporada [quando viraria agente livre]". A pressão deu certo e a franquia procurou o melhor negócio para se desfazer do seu melhor atleta. Na troca, recebeu Andrew Wiggins, Anthony Bennett e Thaddeus Young.

E Rondo está fazendo o mesmo com o Celtics. Jackie MacMullan, da ESPN americana, informa que o armador chegou para os executivos e solicitou troca. O Sacramento Kings, outro interessado no jogador, recebeu o aviso que o próprio Rondo não tem interesse em assinar com a equipe.

O Celtics não tem a pressa para negociar. Uma reconstrução já está ocorrendo, e uma avaliação será feita durante as primeiras atuações de Rondo no início da temporada. O time tem tempo até o limite de negócios, que ocorre em fevereiro. Até lá, um mar de rumores vão acontecer em cima do armador. Se as declarações do jornalista da ESPN se confirmarem, a franquia de Massachusetts seguirá os passos dos Wolves e buscará alternativas para não sair perdendo em uma eventual saída de Rondo. Interessados é o que mais teremos.

Com lesão sofrida em janeiro de 2013, o camisa 9 só foi estrear na temporada 2013/2014 no dia 17 de janeiro de 2014, perdendo os primeiros 40 jogos da temporada. Em 30 partidas, Rondo anotou 11,7 pontos e 9,8 assistências. Com toda as limitações, ainda mostrou toda a inteligência na armação das jogadas. É um atleta importante.

29 de agosto de 2014

Agora o papo é Copa do Mundo de basquete


Agora o assunto é Copa do Mundo de Basquete. A partir desse sábado, na Espanha, começa o torneio que será o centro das atenções nas próximas duas semanas. São 24 seleções divididas em quatro grupos, e todas com um só objetivo: estar em Madrid, no dia 14 de setembro, para a disputa da grande final. No total, a NBA terá 49 representantes e mais outros 20 atletas que já tiveram o privilégio de atuar na liga.

Recentemente fiz uma participação no blog do amigo Erick, o EQ Sports News Br falando sobre o que espero da seleção brasileira nesse Mundial. Vamos sempre frisar que só vamos participar por causa do sagrado convite FIBA que custou caro para a nossa querida Confederação Brasileira de Basquete. O papelão da Copa América segue viva em nossas memórias (dos jamaicos, urugauios também...);

Naquela oportunidade, nossas estrelas, cansadas após uma exaustiva temporada na NBA, pediram dispensa. Agora estamos completos. Rubén Magnano tem a disposição aquilo que ele tem de melhor no momento. Com uma boa preparação, testando todos os jogadores, fazendo amistosos contra equipes de alto nível, chegamos para a Copa do Mundo com confiança e certos de que podemos ir longe. Entretanto, temos que ter muita calma nessa hora. O jornalista Marc Stein, da ESPN americana, colocou o Brasil no top 3 para o torneio. Segundo ele, nossa equipe só fica atrás dos Estados Unidos e da Espanha. Será mesmo?

É nítido que temos um dos melhores garrafões do MUNDO. É excepcional saber que temos um campeão da NBA como o Splitter e dois monstros chamados Anderson Varejão e Nenê Hilário. E para nos deixar ainda mais animados, Rafael Hettsheimer jogou bem em todos os amistosos preparatórios, abusando, inclusive, das bolas de três (o aproveitamento impressionou todos); O problema é nosso perímetro. Temos jogadores que alternam muitos altos e baixos. Marcelinho Huertas é considerado para alguns jornalistas o melhor armador FORA da NBA (atua no Barcelona). Temos o sempre ágil Leandrinho Barbosa (precisa ser mais consistente), além de contarmos com Marquinhos e Alex. No banco, temos a entrada de Larry Taylor e Raulzinho

O Brasil mostrou momentos mágicos em seus amistosos, porém sofreu com os famosos apagões. É do basquete esses momentos de oscilação? É. Mas o Brasil sofreu blecautes. Tudo dá errado, a bola não cai, erros juvenis aparecem e, todo aquele basquete maravilhoso some e dá lugar a incertezas. 

Nosso grupo tem França, Egito, Sérvia, Espanha e Irã. A estreia acontece contra o desfalcado mas ainda forte time francês às 13h (horário de Brasília). Não preciso nem dizer que o PN estará fazendo a cobertura total desse jogo. Todo o aquecimento até as declarações no pós-jogo (siga @paixaonba)

Eu confio demais nesse Brasil de Magnano. Sou otimista e creio que os apagões e crises emocionais ficaram lá na preparação e, a partir do momento que a delegação pisou em Granada, tudo mudou. Vamos fortes. A imprensa nos vê com bons olhos, um olhar de "ei, o Brasil voltou a ser uma força no basquete". Isso, de uma forma ou outra, intimida o adversário. Ganhamos respeito. Não espero medalha, mas espero um top 5, chegar nas quartas-de-final e depois o que vier é lucro. Se tudo funcionar e os deuses do basquete reservarem algo especial para o Brasil, aí sim podemos pensar grande, entretanto vamos com os pés no chão.


A ESPN e o Sportv são os canais brasileiros que vão transmitir a competição. Espero do fundo do meu coração que as emissoras deem o devido respeito para esse Mundial e arrebentem em suas coberturas. Nós, amantes do basquete, agradecemos!

30/08 - Brasil x França - 13h 
31/08 - Brasil x Irã - 13h 
01/09 - Brasil x Espanha - 17h 
03/09 - Brasil x Sérvia - 13h 
04/09 - Brasil x Egito - 10h30

28 de agosto de 2014

Brasil na NBA: Leandrinho fecha com o Golden State Warriors


E o Brasil terá outro representante na NBA. É um velho conhecido. Leandro Barbosa, agente livre, teria acertado com o Golden State Warriors e assinaria contrato após a Copa do Mundo de Basquete (disputada na Espanha de 30 de agosto até 14 de setembro). A informação vem de Marc Stein, jornalista da ESPN americana

Anteriormente, apalavrado com o Miami Heat (ESPN Brasil.com.br foi a fonte), Leandrinho resolveu escutar a proposta do Golden State Warriors e do treinador Steve Kerr, que tinha o desejo de contar com o ala-armador. O contrato será de 1 ano e o salário será o mínimo para veteranos. O paulista de 31 anos se junta aos amigos Tiago Splitter (Spurs), Nenê (Wizards), Bruno Cabloco e Lucas Bebê (Raptors), Anderson Varejão (Cavs) e Vitor Faverani (Celtics), todos confirmados na temporada 2014/2015.

Na NBA desde 2003, Leandro Barbosa já disputou 649 partidas: média de 11,9 pontos, 2,2 rebotes e 2,3 assistências. O Golden State Warriors será a sua quinta equipe: já passou por Suns, Raptors, Pacers e Celtics. E nunca podemos esquecer de citar o seu prêmio de Sexto Homem na temporada 2006/2007.

A nossa torcida é que Leandrinho seja importante na rotação da equipe. Apesar das seguidas lesões que o assombraram nos últimos anos, ele ainda se mostra forte e rápido, além de contar com o arremesso de três pontos como arma. O time que já conta com os chutadores Stephen Curry e Klay Thompson ganham outro gatilho, o cara para desafogar. Boa sorte à ele!

26 de agosto de 2014

Minnesota Timberwolves confia em Anthony Bennett


O negócio entre Andrew Wiggins e Kevin Love, como todos sabem, foi selado nesse último sábado. A troca envolveu mais uma equipe e outros jogadores, entre eles a primeira escolha do Draft de 2013, Anthony Bennett. Seu primeiro ano na liga foi horrível (para não dizer outra coisa), a crítica caiu em cima do Cleveland Cavaliers e seu jogo foi afetado. Mas e agora? Como será o menino Bennett em 2015?

O futuro será na gelada Minneapólis. O Wolves terá uma equipe muito talentosa (Rubio, Wiggins, Lavine, Bennett) e, a médio prazo, vai incomodar no oeste. Enquanto isso, os atletas jogarão sem pressão e terão tempo para desenvolver o melhor jogo. E é nisso que a franquia coloca fé para a temporada de Bennett.

Os treinamentos foram intensos e o ala-pivô aparece com menos peso, mais rápido e com mais gana. A mudança de Ohio para Minnessota gerou motivação. O seu segundo ano na liga tem tudo para ser diferente (de preferência melhor). O próprio jogador admite que precisava se libertar da pressão de ser a primeira escolha do Draft. Em 2014/2015 poderá trabalhar com mais calma e mostrar todo o seu talento. Na Summer League deste ano, mostrou ser uma outra pessoa dentro da quadra. Nas negociações, os Wolves sempre deixaram claro que queriam contar com sua presença. Quem garante isso é o técnico/supervisor das operações de basquete, Flip Saunders. Depois de perder 12kg nessa offseason, a presença do ala é certa na rotação da equipe. 

Acredito que já falei muitas vezes aqui, mas é sempre bom lembrar: as médias em seu ano de novato foram mais do que decepcionante. Em 52 jogos, foram 4,2 pontos, 3,0 rebotes e 12 minutos por jogo. Para piorar, uma lesão no ombro o prejudicou ainda mais. A pergunta que fica é: AGORA VAI?

O trailer do NBA 2k15


A 2K Sports divulgou nessa segunda-feira o trailer do NBA 2k15, jogo que tem previsão de lançamento para 7 de outubro. Com a missão de melhorar o que já é bom, a empresa vai seguir deixando o game perfeito em seus mínimos detalhes, desde apresentação de atletas, rodas de conversas e jogadas que se aproximam da realidade.

No trailer, podemos ver os comentários de um Shaquille O'Neal magrinho, elencos atualizados, apresentação dos jogadores, a barba de Chris Andersen, LeBron enterrando sobre o menino Shabazz Napier, Anthony Davis monstro como sempre, etc.

Nessa temporada, o blog vai dar uma atenção ao jogo e vai em busca de pessoas interessadas e viciadas para falar sobre o NBA 2k15 constantemente aqui no Paixão NBA. Bom, só de ver esse aperitivo eu já fiquei com mais vontade de jogar. Outubro será sensacional!

22 de agosto de 2014

O Mario Chalmers não é ruim


Quem conhece o Paixão NBA, sabe que o blog busca muitas informações, faz a cobertura total da liga com seriedade, mas sempre tem aquele leve toque de humor. Se é para ser um robô em meus comentários tanto no blog como no twitter, eu nem seguia mais com o trabalho. Enfim, nessas brincadeiras, temos sempre nossos alvos favoritos: Fab Melo e sua linda trajetória na NBA, os joelhos do Dwyane Wade e do Derrick Rose, o mito Brian Scalabrine, Oscar e sua relação com Nenê, e agora MARIO CHALMERS!

Suas atuações nas finais de 2014 foram tão abaixo de qualquer crítica que o armador de 28 anos do Miami Heat ficou marcado de forma negativa. Sucessivos turnovers, escolhas equivocadas, pouca produção no ataque e facilmente dominado pelos adversários fez Chalmers ser alvo de um caminhão de piadas. Aí eu pergunto: será que o cara é tão ruim mesmo?

Apesar de brincar demais com ele, eu respondo: o cara não é ruim. É a mais pura verdade, senhores. O cara é duas vezes campeão! "Ah, mas campeão até o Ronny Turiaf é". Sim, mas o Chalmers foi campeão sendo extremamente importante. Não vou comparar ele com as atuações de John Paxson e sua importância naquele Chicago Bulls de Jordan e Pippen, porém a verdade tem que ser dita: quando o Chalmers jogou para valer e não foi o Chalmers 2014, o Heat alcançou o sucesso. Quando ele esteve abaixo, o time sofria. Não concordo com muitas coisas que o Agra e o Zé Boquinha falam nas transmissões da ESPN, entretanto eles sempre batiam nessa tecla e eu concordo.

Desde que assumiu a posição de armador titular do Heat, Chalmers apresentou boas médias de pontos. "Ah, jogando com o LeBron, Wade e Bosh até eu brilho". Ok, só que vale lembrar que LeBron e Wade faziam o papel de armador quando estavam na quadra. A bola ficava mais nas mãos das estrelas do que com o pobre menino 'Chalmis'. Em 2014, suas médias foram de 9,8 pontos e 4,9 assistências. 

No primeiro título da carreira, sua média de pontos foi de excelentes 11,3 por jogo na pós-temporada (além de 3,9 assistências e 3,7 rebotes). No segundo tempo, ele contribuiu com 9,4 pontos e 3,1 assistências (seus minutos caíram de 35 para 28). Não estou aqui fazendo o papel de advogado do diabo, mas apenas lembrando que esse pobre jogador tem seus créditos. O Miami Heat reconhece e ampliou seu contrato com a organização. Pela história, merecido.

Chalmers, meu querido, o Paixão NBA seguirá fazendo algumas piadas com o seu nome, porém sabemos que o que você já fez ninguém apaga. Esse post é a prova viva. E se der, vou buscar um autografo seu no NBA Global Games e guardarei como uma grande recordação. 

Wilt Chamberlain e Muhammad Ali quase se enfrentaram em uma luta de boxe


Na primavera de 1971, em escritório dentro do Houston Astrodome, uma negociação mais que inusitada estava prestes a acontecer. Sentado em uma das extremidades da mesa estava o lendário lutador Muhammad Ali, ex-campeão dos pesos pesado do mundo e maior lutador auto-proclamado de todos os tempos.

Poucos minutos depois, chegava no escritório Wilt Chamberlain, um dos mitos do basquete e que ainda ganhava todos os holofotes. Ambos se conheciam bem e já apareceram juntos em várias ocasiões no passado, como programas de televisão e conferências de imprensa. No entanto o intuito da reunião era muito diferente do que todos imaginavam.

O que os dois atletas mais famosos do mundo na época estavam fazendo isolados dentro de um estádio vazio? Pouco depois toda a imprensa tinha conhecimento: Muhammad Ali e Wilt Chamberlain concordaram se enfrentar em uma luta de boxe (!!!).

Para Chamberlain, ele não tinha muita coisa a atingir na NBA. Seus recordes e registros são intocáveis, os prêmios estavam na sala de sua casa e seu nome já estava consolidado na história. Ele queria mais. Queria se tornar o rei em outro esporte. Já para Ali, a luta valia resgatar todo o sucesso que haviam lhe tirado. Por ter se recusado de forma ilegal a servir as forças armadas, ficou longe do boxe por três anos. Apesar de seu nome ainda ter grande impacto, estava sem dinheiro. Apesar das palestras, não conseguia arrecadar muita coisa. Ele conseguiria voltar em alto nível? Nas duas primeiras lutas, provou manter o ritmo: venceu Jerry Quarry e Oscar Bonavena. Vitórias que o credenciaram a lutar pelo título novamente, dessa vez contra Joe Frazier, um dos duelos mais esperados do século.

O problema é que Ali acabou sendo derrotado, e Wilt ameaçou cancelar a luta. Tinha o desejo de ser o campeão dos pesos pesados, e para isso ser possível ele teria acordado que só faria o duelo se Ali derrotasse Frazier. Bob Arum, ex-advogado e promotor de eventos, seguiu conversando com Chamberlain e lhe ofereceu muito mais dinheiro.

O pivô da NBA não tinha experiências como boxeador, porém tinha um plano de ação: contrataria Cus D'Amato, um treinador conhecido por formar e capacitar atletas a serem campeões "num passe de mágica". E segundo D'Amato, com as orientações certas, Wilt teria totais condições de vencer Ali. Do outro lado, o lutador profissional nem pensava em algum plano. A intenção era subir no ringue, socar Wilt e ir para casa.

A imprensa mundial logo comprou a ideia. As manchetes dos principais jornais só falava da luta. O pivô do Philadelphia Warriors, 76ers e Lakers conseguiria bater "The Greatest"? Ele conseguiria pelo menos seguir até o segundo round? Seria a luta de maior bilheteria da história? Todas essas perguntas acabaram em 22 de abril de 1971 quando Chamberlain desistiu de assinar o contrato do evento. Acabava ali o sonho de ver o combate dos gigantes.

Diversos rumores sobre a desistência do jogador existem até hoje. Primeiramente os advogados do pivô alegaram que devido aos impostos, Wilt receberia uma quantidade inferior ao valor negociado. Tal esforço para fazer a luta acontecer não valeria a pena. Depois surgiu o boato que ele fez todo esse barulho apenas para conseguir um novo contrato com o Los Angeles Lakers. Anos depois, Wilt contou que conversou com o pai (grande fã de lutas) que duelaria contra Muhammad Ali, que logo respondeu: "Filho, você deve se concentrar em seus lances livres".